Redução de perdas na rede e ligação de água

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Palestra da Eng. Lina Cabral Adani na BW Expo.

Eng. Lina Cabral posa para foto.
Eng. Lina Cabral posa para foto.

A palestra foi uma apresentação de caso de sucesso da administração dos recursos hídricos da cidade de Campinas por duas décadas (período entre 1994-2014), onde foram implementadas várias medidas de controle para entender melhor a situação da rede de distribuição de água da cidade.

A palestra foi instrutiva para apresentar as diferentes medidas que podem ser tomadas e que deveriam ser tomadas pela administração pública para o controle dos recursos hídricos que são produzidos e gastos nas cidades. Ela mesma assume que não foi esse o objetivo que tinha em mente quando foi pedir empréstimo estrangeiro para ampliação da rede da cidade. O capital foi liberado, mas com condições bastante interessantes: primeiramente o capital não seria investido em ampliação da rede, mas em manutenção e melhoria, pois o próprio credor fez um levantamento mostrando que havia 40% de perda de água na rede de distribuição.

Assustada com a notícia da triste realidade brasileira (e da falta de interesse em mitigar esse problema), começou um trabalho de forte empenho em descobrir onde estão os problemas e o que poderia ser feito. Como localizar os problemas? Simples, foi feita a instalação de vários hidrômetros em pontos de controle. Não existiam marcadores para registrar o quanto de água chegava efetivamente nos reservatórios e o quanto saída deles, fora isso foram distribuídos marcadores em pontos específicos para isolar regiões da rede dentro da cidade. Foi feito cadastro de toda a rede em mapas e modelos computadorizados. Com esta setorização foi possível descobrir vários pontos problemáticos na rede, como tubulação de concreto com vazamentos, por exemplo. Outra medida foi a aplicação mais efetiva do controle de pressão, pois nas horas de menor consumo a pressão do bombeamento direto dos reservatórios força demasiadamente a rede e provoca vazamento nas ligações (principalmente a com anéis de borracha).

Comparação 1994-2014
Comparação 1994-2014

Foi então que começou uma grande campanha pública de substituição da tubulação de concreto existente por tubos de PEAD. A permeabilidade da tubulação de concreto e suas ligações formam um ponto muito crítico para vazamentos, um custo muito caro a longo prazo em prol de uma resistência maior. Com esta campanha conseguiu-se resultados efetivos e de grande importância. O desperdício de água na rede caiu de 40% para 20%, ainda há muito o que reduzir de perdas, mas conforme foi exposto ainda há mais quilômetros de tubulação em concreto a serem substituídos. O volume que deixou de ser desperdiçado foi estimado em 400 milhões de m³, economizando diretamente 770 milhões com apenas 165 milhões investidos, gerando um saldo positivo de 605 milhões.

Esses resultados são extremamente expressivos, o que gera a seguinte comparação com o cenário de desenvolvimento de Campinas: o volume economizado foi equivalente a 4 meses de abastecimento, a cidade pôde absorver abastecimento equivalente a 435 mil novos habitantes. Então apesar do crescimento da cidade nas últimas décadas, não foi necessária a busca por mais recursos hídricos devido ao melhor aproveitamento dos recursos disponíveis.

Com isso somente conseguimos concluir que graças ao investimento responsável feito por instituições estrangeiras nossos administradores públicos chegam a tomar conhecimento dos dramas da ineficiência pública na infraestrutura nacional. O caso da SANASA é extremamente interessante e deve ser explorado e elogiado, eficiência na administração pública é sempre bem vinda e impactante. Vamos esperar que com as metas da ONU para 2030 mais cidades possam apresentar resultados assim.

Um grande abraço.

Ronaldo Mendes Salles

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *