Quando o cliente tem razão.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Recentemente fiz uma publicação sobre o alarmismo feito por conta de alguns entraves no uso do sistema de piloto automático da Tesla. (superando os acidentes de percurso)

Então Elon Musk, em meio a todo esse burburinho, teve de dar ainda mais valor aos seus clientes, pois um deles fez uma grande ponderação com bom senso sobre a situação.

Musk inclusive divulgou em seu twitter a página do fórum onde esta nota foi postada.

O original em inglês você confere neste link.

E a tradução que fiz para o português segue logo abaixo:

Tradução da nota divulgada por um usuário do sistema “Autopilot” da Tesla, que chamaremos pela tradução literal de “piloto automático”:

“Piloto automático é por definição um sistema utilizado para controlar a trajetória de um veículo (aeronave, embarcação, nave espacial, veículo a motor) sem a necessidade de um operador humano “segurar os controles todo o tempo. O nível de controle que o piloto automático pode conferir tem variação mesmo entre as aeronaves que são capazes de usar este tipo de sistema. Contudo, o piloto automático não deve ser confundido como um sistema autônomo. Um veículo autônomo não necessita de intervenção. Ele pode rodar sem a necessidade de intervenção humana, baseando-se somente na captação do ambiente.

O piloto automático da Tesla é um software em desenvolvimento que alcança o nível 2 da National Highway Traffic Safety Administration (agência americana responsável pelas leis de trânsito, suas padronizações e segurança), não como o carro da Google, que chega ao nível 3. Como Elon Musk já disse várias vezes, o piloto automático da Tesla é apenas uma engatinhada em direção à completa autonomia.

Como descreve esta nota, o piloto automático da Tesla permite que você mantenha a faixa de rodagem, mude de faixa e estacione o carro. Enquanto você deveria manter suas mãos na direção todo o tempo, enquanto dirige em uma estrada em linha reta com pouco tráfego, você pode retirar suas mãos da direção de vez em quando para relaxar seus braços. Mas ao encontrar curvas, áreas em obras, pavimentação sem demarcação de faixa, tráfego intenso, condições climáticas como chuvas ou neve, e mesmo contra o Sol, você deve manter suas mãos na direção para assumir o controle se necessário.

Pense nisso, quando você está em uma aeronave e o piloto coloca a mesma em piloto automático, o que você espera do piloto? Creio que você não desejaria que ele ficasse passeando entre as poltronas e conversando com os passageiros, deixando todo o controle de voo para o computador. O mesmo se aplica ao piloto automático da Tesla.

Definitivamente VOCÊ NÃO DEVE:

  1. Ir dormir
  2. Começar uma leitura
  3. Jogar
  4. Assistir algo além da rodovia e o painel do carro
  5. Se distrair em uma conversa ou ligação ao ponto de perder a noção do estado da rodovia

Você percebeu que todos os itens acima também se aplicam quando se dirige qualquer veículo? Espero que você compreenda – este NÃO É UM VEÍCULO AUTÔNOMO, então não aja como se estivesse em um. Não existe nenhum veículo autônomo autorizado a rodar em estradas públicas em nenhuma parte do mundo. Novamente, o piloto automático não é autônomo. O piloto automático ainda depende de você – ele pode te ajudar, mas não te substituir.

Estou certo que muitos de vocês devem estar se questionando, do motivo de se adquirir o piloto automático. Depois de percorrer mais de 28.000 quilômetros com meu carro usando o piloto automático, seguem algumas vantagens:

  1. Na hora de manter o centro de uma faixa, ele é muito eficaz.
  2. Os preciosos minutos em que você pode retirar seus braços da direção em estradas longas para relaxar os ombros.
  3. Como você pode mudar de postura, ele reduz a fadiga e permite que você continue alerta por mais tempo.
  4. Os sensores ultrassônicos e o radar são mais velozes que nós humanos para detectar algum veículo invadindo sua faixa e reduzir a velocidade. O sistema também alerta sobre a necessidade de assumir o controle e evitar um acidente.

Conforme disse ironicamente a Sra. MacCleery da agência reguladora – os proprietários de veículos Tesla que pagaram pelo sistema não deviam ser ratos de laboratório. Realmente, ratos de laboratório não gastam U$ 2.500 para tomar parte de um experimento. Quando o compramos e depois o ativamos (ele vem desativado de fábrica), nós nos responsabilizamos por usar uma tecnologia em desenvolvimento.

Para as quatro recomendações que a Sra. MacCleery fez à Tesla, só concordo com a necessidade de conscientizar do consumidor. Sobre as outras três:

  1. Desabilitar a direção automática enquanto as mãos não estão no volante – definitivamente NÃO. Além de ser um grande retrocesso na busca pelo carro autônomo, isto destruiria o próprio propósito da redução da fadiga. A versão atual é boa o bastante em dar tempo para relaxar um pouco e reduzir a fadiga.
  2. Não se referir a ele como piloto automático – ora, o sistema atende ao conceito público de um piloto automático, e alterar o nome não o fará mais seguro. Fora que as pessoas continuariam a chama-lo de piloto automático, mesmo com um nome oficial diferente.
  3. Sem mais lançamentos de teste – ok, testar somente dentro de laboratórios. Será que alguém conhece algum laboratório que seja capaz de simular todos os tipos de condições das estradas? Será que é possível criar algo assim? A própria Google vem tentando colocar seus carros que são nível 3 na rua para adquirir dados. Mesmo assim o processo tem sido muito lento e tem atrapalhado o andamento do desenvolvimento de um carro autônomo. Também a prática de usar pessoas para testarem versões inacabadas ou em desenvolvimento no público em geral é normal em muitos tipos de indústrias como a de saúde. Se os consumidores estão ansiosos para pagar à Tesla ou qualquer outra empresa por estas tecnologias emergentes, não tente forçar sua opinião nessas pessoas e podá-las de seus direitos.

Meu apelo para os órgãos regulares e companhias de seguro é:

  1. Implementar leis que deem suporte as tecnologias que estão emergindo e não as podar.
  2. Melhorar ou padronizar nossas estradas – fazer nossas estradas mais compreensíveis
  3. Prover incentivos para motoristas e veículos que usam estas novas tecnologias como o piloto automático, que ajudam na prevenção de acidentes.

E para meus companheiros em dirigir um Tesla – eduquem outros motoristas em suas casas sobre como o piloto automático funciona e os ajudem a usar de forma responsável. Dirijam de forma responsável e segura com o piloto automático. ”

20151022_132555

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *