Pacto da ONU – Redução de Perdas na rede de abastecimento de água

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Pacto global das nações unidas – movimento pela redução da perda de água na rede de distribuição

Palestra de Sonia Chapman ocorrida na BW Expo

Sônia Chapman na BW Expo
Sônia Chapman na BW Expo

As nações unidas (ONU) escolheu 17 objetivos para serem alcançados pelos países integrantes do programa de sustentabilidade, dentre esses objetivos vamos nos focar no item 6: água limpa e saneamento.

O programa foi lançado em Setembro de 2015 em Nova Yorque.

Talvez você, mesmo na crise hídrica que enfrentamos, se pergunte o por quê esse item é tão relevante. Levantamentos mostram que a cada ano, perdem-se 6,5 bilhões de m³ de água sendo que o sistema Cantareira reserva 1 bilhão de m³ (ou seja, perde-se 6,5 Cantareiras todo ano). O lado triste dessa história é o lentíssimo ritmo de melhoria desse índice, em 2003 o desperdício registrado era de 42% e em 2014 foi aferido em 39%, portanto um progresso de 0,33%/ano. Se considerarmos que a rede está sempre em ampliação, considero que as perdas não são reduzidas (volume total) apenas ajustes ocorrem nas áreas expandidas.

Como resolver esses problemas? Existem diversas maneiras de se fazer, mas os impactos são muito diferentes, pode se trocar a tubulação da rede, mapear vazamentos, impermeabilizar internamente os tubos existentes e outros métodos próximos aos já citados. Houve uma iniciativa de parceria da Sabesp com a 3M para promover a vedação da tubulação por dentro da mesma, mas infelizmente a parceria não deu frutos (mas a 3M tem parcerias dessa forma em outros países em vigor).

Parceiros para o programa de abastecimento.
Parceiros para o programa de abastecimento.

A 3M é somente uma das empresas e entidades que estão envolvidas no programa, são vários setores envolvidos, como agências de notícias, revistas, instituições jurídicas, patrocinadores e governos. É extremamente importante que seja dito que o programa é de responsabilidade social, então todos os setores da economia devem se envolver, mas a execução é prioritariamente do setor público. Para que a otimização do uso da água possa ser uma realidade tanto a colaboração das agências de notícias para divulgação de campanhas, quanto ao fomento de publicações de notícias e avanços realizados no setor são importantes. Dentre as colaboradoras, me fez falta o CREA, já que assim como ressaltado por Sonia Chapman, o desenvolvimento técnico será necessário para o devido avanço da meta.

 

 

Como você deve ter percebido não citei nenhuma meta até agora, sabe por quê? Porque elas ainda não existem, serão definidas conforme tivermos os candidatos eleitos em 2016.

Ok, os prazos são longos e até por isso que os compromissos deverão ser citados nos planos de governo dos candidatos, então ficamos com o seguinte plano de metas:

  • 2015 – definição dos objetivos
  • 2016 – cartas de compromisso com candidatos e eleições
  • 2017 – Elaboração do plano de ações dos candidatos eleitos
  • 2018 – Apresentação em formato de fórum em Brasília
  • 2030 – Limite para cumprimento das metas

É um programa de metas longas, complicado e de difícil cumprimento por parte do poder público (como quase tudo) então os pilares que sustentação são: poder público, mídia, metodologia e soluções técnicas e capacitação.

Então agora é acompanhar, torcer e cobrar.

Um grande abraço.

Ronaldo Mendes Salles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *