Olimpíada e marketing mal feito

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Ok, vamos começar esse assunto da pior forma possível, falando mal de nós mesmos (brasileiros).

Estamos na fase final de preparação para recebermos os jogos olímpicos, “Rio 2016” como diz a campanha, mas qual a impressão que iremos passar para o mundo? Mesmo que você seja partidário daqueles que tentam ignorar a relação entre nosso país e os demais, há de concordar que não será exatamente uma goleada a nosso favor.

Então os jogos não vão acontecer corretamente? Eu não duvido que toda a festa, todo o evento ocorra sem maiores problemas, mas não é esse o ponto. A maior dificuldade que vejo é do que as pessoas vão lembrar do Brasil após os jogos. Quando um evento acaba, ele não deve ser estéril, deve produzir frutos, ou tudo não passou de um grande desperdício de recursos. Como então vamos fazer isso? Simples, era só não fazer o que estamos fazendo.

Pra quem não sabe, o investimento que está sendo usado na olimpíada é destinado à construção (idem ao caso da copa do mundo). Estamos construindo instalações em cima da hora e não pensamos em todo o resto. Usando referências cinematográficas, se um turista/investidor chegasse até você e falasse “Me impressione.” você seria capaz de dizer “Testemunhem”? Grandes centros esportivos, museus, tudo isso é passado para boa parte dos países qual status nós queremos alcançar. Quando eles entrarem em um carro, observarem como estão atrasados, pegarem engarrafamentos criados por puro despeito da administração pública, forem comer aquela comida superfaturada pelos nossos comerciantes aproveitadores, o que vão levar daqui?

Pelo que consegui sentir de europeus e americanos, nossa comida tem forte potencial para ser aquilo que recordarão daqui, além das mulheres, já que o turismo sexual está cada vez mais visível e não ao contrário como se anuncia nos programas políticos.

É isso que seremos mais uma vez? Um país de cozinheiros e prostitutas!

Como queremos alcançar destaque se conseguimos somente fazer o mínimo para “passar de ano”? Estrutura para os jogos é só a ponta do iceberg, vamos comparar com o que está sendo preparado para a olimpíada de 2020.

Primeiramente, vou esclarecer que em 2020 a olimpíada será em Tókio, então a comparação é brutal.

Industria fortalecida ajuda o governo.

TOKIOEssa frase acima não poderia ser mais real, pois justamente a indústria automobilística japonesa (aqui representada pela Toyota), está gastando bilhões (literalmente) para desenvolver seu carro autônomo de forma que ele esteja em capacidade completa de operação antes de 2020.

No site oficial da organização do evento, eles falam claramente que ao realocar o vice presidente do comitê para ser o articulador chefe entre empresários e o evento, eles esperam que a comunidade de empresários do japão é que tornem possível a realização do evento. Isso tudo a ser acertado antes dos jogos no Rio de janeiro em 2016.

Enfim…

Peço desculpas para aqueles que como muitos não tem poder direto sobre isso, mas nós temos que escolher alguém para votar, então em parte é nossa culpa.

Agora, para a comunidade de empresários e engenheiros, que somos responsáveis por boa parte de avanço que é e que pode ser alcançado, vamos nos motivar e exigir mais para que tenhamos condições de tirar nosso país da lama.

Não será fácil, não será rápido, mas será que não vale à pena?

Um grande abraço.

Ronaldo Mendes Salles

 

Fontes e imagens:

Rio 2016

Comitê Tokyo 2020

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *