O “dono do projeto” e a falta de sinergia

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Talvez o título dê muito a pensar, afinal o que eu quero dizer com “projeto”?

Vamos começar pontuando projeto como empreendimento.

Não sei se é seu caso, meu caro leitor, mas desde que comecei trabalhar numa posição em que tenho acesso aos clientes mais vejo a falta de um coordenador por parte deles.

Os coordenadores que representam o cliente são muito distintos. Mas existe um perfil que com certeza ajuda no desenvolvimento dos trabalhos.

O coordenador que se envolve com a empresa e procura apresentar o mesmo padrão de pensamento dos níveis superiores.

Nos neologismos da moda, isto seria chamado de sinergia.

Parece óbvio que aquele que será responsável pelo ritmo e por gerenciar as premissas, tomadas de decisão e assim definir como ficará o produto final, aja de forma coerente com o resultado esperado de seus superiores. Porém não é isso que ocorre, boa parte das vezes.

Você pode pensar que isso na verdade é uma falta de qualidade, que será contada como demérito a este profissional. Que ele poderia a ser rebaixado ou dispensado. Novamente esse não tem sido o comportamento visto nas empresas.

O que ocorre no processo seguinte.

Em boa parte dos casos, o que ocorre é que pessoas de cargos administrativos mais elevados que o coordenador, tomam para si que a empresa contratada “fez algo” para que houvesse um desvio. Não estou falando de desvio de dinheiro ou corrupção, estou falando de aditivos legítimos.

Neste estágio é que “a porca torce o rabo” (como diria minha mãe). Começa-se uma batalha para reunir evidências da aprovação desses aditivos, histórico de reuniões, falhas de projetos ou itens exclusos dos orçamentos.

Quanto mais informal houver sido o trato com o coordenador, mais difícil será provar todos estes itens. Exatamente o que vejo ocorrer em muitas empresas. O cara bonachão legal, compreensivo quanto aos atrasos (sejam eles por força superior ou intercorrência da contratada), aberto aos aditivos, tem o estranho costume de não responder por email com afirmações claras ou diretas, gosta de uma reunião ou telefonema para alinhar. 

Este perfil de ação é justamente um fator a dificultar o rastreamento das informações.

Utopia?

Você pode achar que eu estou descrevendo uma utopia maquiavélica ou uma pessoa isoladamente, mas não é o caso (infelizmente, diga-se de passagem).

Alguma empresas (já passei por isso), propositalmente retiram ou realoca em outro empreendimento, seus coordenadores quando o cronograma se aproxima das fases finais. Isso ocorre de maneira pensada e faz parte de algum modo operante oculto. Desta forma, qualquer acordo, definição, aditivo ou quem sabe um “acordo entre cavalheiros” fica esquecido. Entra em cena geralmente um carrasco que desconhece qualquer assunto, acordo, fato ocorrido ou aditivo que seja contrário a empresa onde trabalha.

Este modelo já fez com que algumas empresas deixassem de receber valores dignos e corretos quais tinham direito, mas mesmo através de “jogo sujo” geraram alguma economia para seus chefes.

Claro que este não é o modelo que considero ideal para trabalho, nem um perfil de profissional com quem gostaria de trabalhar.

Um bom “dono de projeto”.

O que considero o verdadeiro “Dono do projeto” é aquele que reúne as característica que falei no início do texto.

Aditivos são verificados, a balança financeira é revista e existe um constante alinhamento com instancias superiores da empresa. O objetivo é obter um resultado que siga as premissas já previstas em orçamento à risca. Caso contrário, que estas premissas sejam refutadas por meio oficial, “às claras”.

Um verdadeiro dono de projeto não dificulta a determinação de aditivos, pois já é conhecido todo o processo e tudo foi feito dentro dos termos para chegar à melhor solução. 

Gostaria de encontrar muitos bons donos de projetos, profissionais respeitáveis que valem da ética profissional. Espero que você sempre escolha este caminho na sua área de atuação.

Um grande abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *