Novo ciclo pro CO2?

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Tenho acompanhado várias matérias e notícias sobre a implantação de fábricas geradoras de combustíveis que usam CO2 retirado da atmosfera como matéria prima, mas é interessante como as divulgações são tão divergentes.

A alemã Sunfire alega possuir a solução para o problema do acúmulo de CO2 na atmosfera, ela teria desenvolvido um método de produção de combustível retirando o CO2 através de líquidos que absorvem o material e depois são separados no processo, fazendo reutilização dos mesmos. O hidrogênio necessário para a produção dos combustíveis seria retirado da água por eletrólise (experimento que se faz  em micro escala até mesmo nas salas de aula), produzindo um diesel sintético no final do processo. A empresa alemã alega ser capaz de extrais 3,2 toneladas de CO2 da atmosfera para cada tonelada de combustível produzido dessa maneira. Como a produção é de até um barril por dia (160 litros), a massa específica do diesel é de 820kg/m³, então a produção de combustível é de 131,2 kg/dia e são retiradas 420 kilos de CO2 da atmosfera, o que equivale à 87 carros (trafegando 40km por dia). Não há mais informações sobre o processo como o consumo de energia implícito para que o sistema funcione, somente a imagem que faz alusão à necessidade de uma planta energética eólica ou solar para alimentar as máquinas e fazer o processo funcionar de maneira a não gerar mais consumo de carbono.

Processo SUNFIRE
Processo SUNFIRE

Enquanto isso a Carbon Engineering montou sua primeira planta teste em Vancouver, Canadá com o mesmo fim, capturar CO2 da atmosfera e depois direcioná-lo para a produção de combustível sintético para transporte pesado. O fundador da empresa David Keith, que leciona Física aplicada em Harvard, minimiza a possibilidade da extração de CO2 ter capacidade de retirar os gases causadores do efeito estufa de forma perceptível, pedindo que se mantenha o foco na produção de combustível. Isso se dá pelo estudo realizado por ele ter identificado que o processo em maiores escalas utiliza muita energia e com isso seu custo não é atrativo. Hoje estão tentando chegar ao custo de US$1,00 o litro enquanto o diesel está um pouco abaixo dos US$1,00 e o combustível de aeronaves está a US$0,37 o litro.

carbon.1x519
Processo Carbon Engineering

Segundo a conclusão do próprio David, a real utilização desse método para produção de combustível dependerá de sua viabilidade econômica, o que ainda não foi alcançado. Ele também prevê que será necessária uma boa matriz energética solar e eólica para que o sistema possa funcionar de maneira mais sustentável. Será então a expectativa dos próximos anos, a melhoria das matrizes solar e eólica como preparação para o desenvolvimento dos combustíveis.

Fontes e imagens:

Cnet

MIT Technology Review

 

Um grande abraço.

Ronaldo Mendes Salles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *