Movimento elétrico, energia

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Cada vez mais parece que a eletricidade nos domina e nós vamos desenvolvendo mais meios de utilizá-la.

É totalmente compreensível a grande dificuldade de acordo entre as nações sobre a utilização dos recursos energéticos, já que parece que o consumo e uso de energia transformada em eletricidade só tende a aumentar. O mundo parece motivado em retirar o consumo de fósseis do cardápio, e vejo na modificação dos meios de transporte um dos maiores impactos possíveis.

Combustíveis fósseis são utilizados em muitas coisas, são utilizados para aquecer, para gerar energia elétrica, mover pistões, etc. O que se aprende em física e em engenharia é que toda vez que você se vê obrigado a transformar um tipo de energia em outro, há perda. Neste caso, quando nós transformamos a energia dos combustíveis por meio de uma explosão, gerando movimento, já há perda. Se este movimento é usado para gerar energia, há mais perdas e quando você usa energia elétrica para aquecer alguma coisa você está tentando dar para a energia elétrica uma característica que não é dela, é da explosão do combustível, e essa é a maior perda de energia.

Traduzindo o parágrafo acima, o que quero dizer é que mesmo que queiramos transformar tudo em eletricidade existem funções que são mais eficientes com outros tipos de energia.

Vamos pensar no que ocorreu em vários países, mas ainda é avançado para países como o nosso, cooktop. Essa coisinha nada mais é que um fogão elétrico, que consome uma energia absurda como os chuveiros, usando uma resistência para “queimar” o material e gerar calor (quem lembra do Efeito Joule?). Consideremos que a rede de energia tenha uma folga em sua função, qual não seria o impacto se todas as residências resolvessem aposentar seus antigos fogões e começar a colocar tudo na tomada? Seríamos capazes de absorver o impacto?

Transito-1Agora vamos mais para o armageddom. Carros, São Paulo é a cidade onde mais se compra carro no Brasil, tem a maior frota, o pior trânsito. Como ficaria a rede de transmissão se 50% da frota fosse composta por carros elétricos? Vejo alguns problemas iniciais:

Geração de energia:

Hoje o brasileiro médio consome 165 kWh/mês, pouco se comparado à média americana de 1066 kWh/mês, com base em dados levantados em 2005. Enfrentando as dificuldades de produção energética atuais, como seremos quando desejarmos produzir somente energia renovável? Lembre-se que por mais interessantes que elas sejam, ainda não se comparam em produção com as notórias e terríveis termoelétricas, que ninguém deseja mais ver em funcionamento. O que será necessário fazer para produzir essa quantidade de energia? Temos hoje um déficit energético que só não é pior, pelo desaquecimento das indústrias em tempos de recessão. O aumento populacional já demanda mais energia o que se dizer dos hábitos de consumo energético da população?

Rede de transmissão:

redeAcredito que a maioria ainda se lembra dos apagões em algumas regiões do país que foram causados por falhas na rede de transmissão. A questão é que nossa rede não recebe a manutenção devida e nem possuía redundância (sistemas de distribuição auxiliares para usar se o principal desse problema). Ficamos à mercê da sorte, e ainda hoje não em convenço que tenhamos uma rede segura o suficiente para se ajustar em caso de aumento de consumo abrupto. Vale lembrar que diferente da transmissão de dados, a passagem de energia aquece os cabos, podendo queimá-los em caso de sobrecarga. O pior desse cenário é que esse consumo não seria localizado, como ocorre com indústrias, que ajudam a elevar o valor do consumo médio per capita, mas seriam aplicados na rede como um todo, prejudicando principalmente grandes centros urbanos.

Não me entenda mal…

Não quero dizer que sou contra a utilização de carros elétricos, muito pelo contrário achei muito própria a redução de imposto aplicada aos veículos com baixa emissão de carbono, desejo que cheguem logo. Mas não canso de me preocupar com o estado da infraestrutura brasileira. Ainda estamos fazendo obras básicas, enquanto temos grandes eventos mundiais ocorrendo em nosso país, nos preocupamos se vamos ter água e moradia para estes eventos e nem ao menos conseguimos utilizá-los para mostrar que estamos nos desenvolvendo.

Como será que vamos progredir desse panorama energético para o próximo se nem ao menos conseguimos disfarçar mais nosso atraso e ineficiência?

Um grande abraço!

Ronaldo Mendes Salles

Fontes e imagens:

UOL

Wikipedia

One thought to “Movimento elétrico, energia”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *