Monte sua própria contenção e pavimentação

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Assisti a uma palestra no IE sobre contenções em peças montáveis e pisos para drenagem apresentada por Maiky Kawanami e gostaria de compartilhar.

Primeiramente gostaria de dizer que a palestra é a apresentação de produtos, feita por uma parceria de três frentes, instituição de ensino na pesquisa, empresa de desenvolvimento de construção sustentável e empresa de reciclagem de resíduos da construção civil (RCC). Em conjunto eles estão dando frente aos estudos e popularização de produtos para construção civil feitos com o aproveitamento dos RCCs gerando uma nova política de sustentabilidade dentro do setor.

Piso permeável

Passeio público feito com piso permeável.
Passeio público feito com piso permeável.
Amostras das peças do pavimento com galerias sob as mesmas.
Amostras das peças do pavimento com galerias sob as mesmas.

Pisos permeáveis já estão presentes de diversas formas diferentes no mercado e com produtos, mas dentre as alternativas que pude entrar em contato o que foi demonstrado parece muito interessante. O pavimento segue o mesmo princípio dos blocos intertravados que são de conhecimento geral, mas possuem uma permeabilidade muito grande, sendo aferida em 8mm/s (lâmina de água sobre a peça que é absorvida). Como é possível ver na imagem, a aparência da peça não aparenta ter essa capacidade de drenagem, o que me leva a crer que são micro-furos em grande quantidade que dão essa característica à peça. Então como fica o comportamento da peça ao longo do tempo, com a entrada de grãos e potencial bloqueio dos vazios? Os estudos e aferições realizados, inclusive com aplicação prática na cidade de Seul na Coréia do Sul mostram que a permeabilidade cai para 4mm/s depois de uma ano, uma perda significativa. Porém a norma para pisos permeáveis pede apenas 1mm/s de mínimo, ou seja, ainda está muito acima do solicitado. Além da permeabilidade, o piso conta com galerias inferiores que segundo a proposta, armazenam a água por algum período até que o solo possa a absorver gradativamente (uma caixa de retardo?). Seria como “varrer” a água pra debaixo do tapete. Sobre a capacidade de tráfego, inicialmente a proposta é para passeios e não vias de veículos, mas acredita-se que na produção possa obter-se peças com resistência para trafego médio sem grandes modificações, para pátios pesados ou tráfego pesado ainda serão necessários estudos e iniciativa de algum comprador.

Juntando as tecnologias que vi há pouco tempo imagino o bem que faria se em nossas praças e parques houvesse um planejamento de contenção hídrica utilizando esse tipo de pavimento em adição à piscinões de tubulação em PEAD que absorvessem primeiramente a água que escorre pelas galerias, esse sistema poderia até mesmo seguir no entorno de praças e parques para que absorvesse uma parcela da contribuição das ruas, pavimentos impermeáveis, que são grandes atuantes no problema de drenagem superficial. Esclareço que insisto sempre em piscinões mais discretos porque várias regiões possuem solo muito impermeável que precisa de muito tempo para absorver a água e também para evitarmos fazer obras tão dispendiosas como são hoje.

Contenção de montar

Muro piramidal usando o sistema de peças
Muro piramidal usando o sistema de peças
alguém mais lembrou das rodas dentadas Spacily?
alguém mais lembrou das rodas dentadas Spacily?

Para fazer contenções mais simples em termos estruturais, falamos em contenção por gravidade (aquelas onde só o peso da parede de contenção faz ela não cair). E para esses casos foi apresentada uma peça que pode ser conectada a outras iguais e com isso ir formando um muro com peças encaixadas que dão forma ao muro. O funcionamento é idêntico à um muro por gravidade, e o encaixe entre as peças as fixa formando um corpo solidário, mas que é flexível e permeável ao mesmo tempo. A permeabilidade é uma vantagem pois permite que as pressões hidrostáticas atuem dentro do muro, aumentando sua estabilidade e a flexibilidade é prática quando há algum recalque na base ou para absorção de algum impacto direto. A produção de montagem na obra é de cerca de 200 peças por dia com uma equipe de 3 pessoas. As peças têm diâmetro de 25cm com 20cm de altura modulares em meia peça com 10cm de altura.

 

Então…

Esses são exemplos de peças que estão sendo produzidas com reciclagem de entulho (RCC), mais que destacar aqui os sistemas que têm particularidades e soluções interessantes, é mostrar o uso possível do material que até hoje ainda tem pouca aceitação e é indevidamente manuseado e encaminhado como destino final em aterros.

Na segunda feira darei continuidade no assunto abordando a reciclagem desse tipo de resíduo.

Um grande abraço.

Ronaldo Mendes Salles

Fonte das imagens: Apresentação Sistemas construtivos Ecounion

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *