A redução das feiras – Uma espiral perigosa

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

As vezes nos perguntamos em como está a saúde do mercado em geral.

Momentos de crise criam a tendência de repetirmos esta pergunta até que realmente comecemos a nos importar.

Não posso dizer muito sobre os outros setores, mas no caso da engenharia as feiras são um retrato fiel.

A questão é que a engenharia, sendo um setor tão amplo, usa de muitas outras partes do sistema produtivo. Máquinas, equipamentos, sistemas de automação, equipamentos de segurança, materiais de construção, etc.

Para poder apresentar todos estes ramos envolvidos, faz se uso de diversas feiras durante o ano.

E é justamente durante estes eventos que tive (e tenho) a oportunidade de conversar com diferentes representantes de empresas sobre lançamentos e o mercado.

Desde 2016 um assunto tem se sobressaido. Em 2017 este mesmo assunto se tornou o único discurso em comum para todos os expositores com quem entrei em contato: “Como a feira diminuiu.” e “Como isto está vazio.”

É certo que vivemos um momento de crise e isto não está em discussão.

Mas mesmo em tempos difíceis, ainda é possível investir, expandir horizontes e melhorar a imagem.

Aparentemente estes itens estariam ligados diretamente à exposição em uma feira. Mas não é assim que o próprio mercado encara.

Feiras tendem a ser direcionadas para um tipo de público. As feiras de engenharia tendem a ser direcionadas para “engenheiros de obra”, mas não exclusivamente.

Pela falta de visão, o público alvo não comparece. Já eperando esse efito, a quantidade de empresas e profissionais expondo seus produtos e trabalhos também reduziu.

Com a redução de público esperado em uma feira, há uma preocupação por parte dos expositores de não ver seu investimento valer o custo.

É neste ponto que nos vemos em uma espiral descendente perigosa. Se não há público, há menos interesse em expor, quanto menor a quantidade de itens expostos, menor a quantidade de pessoas que se interessam.

Quero aqui (e na série de matérias que faço sobre o assunto) apelar para que você profissional, curioso ou interessado no setor, venha a conhecer os eventos e visitá-los.

Quero lembrar também aos profissionais, que as feiras são grandes oportunidades de comparar os equipamentos que você usa no dia-a-dia com modelos de marcas diferentes.

Sem este ambiente facilitado de comparação, corremos o risco de ficar estagnados e não procurar melhores soluções.

Fica a dica.

Um grande abraço.

Ronaldo Mendes Salles

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *