Dessalinizando água pra valer

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Mais uma das tecnologias interessantes de 2015.

Uma fábrica de água dessalinizada, (sim o termo correto é usina dessalinizadora, mas “fábrica” tem seu apelo) construía próximo de Tel Aviv em Israel é capaz de retirar e tratar a água do mar mediterrâneo em grande capacidade e com preço muito mais acessível.

Membranas alinhadas na vertical.
Membranas alinhadas na vertical.

A tecnologia de dessalinização é conhecida há muitos anos, mas somente com a implantação dessa usina é que foi conquistado um dos marcos mais importantes de qualquer processo ou produto, um custo benefício aceitável. A produção de água de 627.000 metros cúbicos de água (627 milhões de litros) por dia faz com que esta seja a maior usina em matéria de produção e também seja capaz de abastecer 20% do consumo de Israel. Sua construção custou cerca de US$ 500 milhões pela empresa Sorek, que venderá essa água a US$0,58 por metro cúbico (mil litros). O processo utilizado é o de osmose reversa, que já é popularmente conhecido, mas seu custo é muito elevado, ou era.

A usina em questão foi inaugurada em 2013, mas somente em 2015 conseguiu atingir sua capacidade total, representando um grande avanço.

Com a implantação dessa usina, a produção de água vinda do mar passou para 40% do total consumido por Israel, sendo previsto que em 2016 esse percentual avance mais 10% com a instalação de mais usinas.

Este avanço é muito significativo, pois atualmente temos 700 milhões de pessoas sem acesso a água potável e em cerca de mais dez anos se espera que esse número chegue a 1,8 bilhões de pessoas. A capacidade de retirar água dos oceanos é muito tentadora, já que no caso deles, o volume tem aumentado, assim como o nível, todos os anos. Países com problemas de abastecimento, mas com costas abundantes poderão facilitar o acesso da água para seus habitantes. Até mesmo na Califórnia já se utiliza usinas para retirar água do mar dada a necessidade de maior oferta no abastecimento, ainda com apenas tímidos 7% do total nesse caso.

Esta é uma tecnologia realmente importante para o futuro, os oceanos cada vez mais parecem conter a saída para a humanidade que crescer aprendendo a destruir rios e agora tem de procurar uma saída.

Um grande abraço!

20151022_132555Ronaldo Mendes Salles

Engenheiro Civil

 

 

 

Fontes e imagens:

http://www.ide-tech.com/

http://www.technologyreview.com/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *